Foi perguntado a dez religiosas [da América do Norte e da França] qual é o sentido da vida e pedi que elas respondessem com apenas uma a três frases.

Sim, eu sei que soa ridículo. Mas também sabia que receberia lampejos surpreendentes e muito úteis tanto para mim quanto para os meus leitores. Aqui vão as respostas delas:

1. Irmã Lucie de la Trinité, OCD, Carmelo de Flavignerot, Dijon, França:

O sentido da vida é me deixar ser amada e amar; me deixar ser amada infinitamente por Deus e amar a Deus; me deixar ser amada pelas minhas irmãs e amar cada uma das minhas irmãs, e, através de cada uma delas, o mundo inteiro.

(Esta oração se baseia na espiritualidade de Elizabeth da Trindade, prestes a ser canonizada, e Santa Teresa de Ávila. Na última linha da oração, eu digo que amo o mundo através das minhas irmãs. Digo isso porque sou freira de clausura. Mas, se eu amo no Senhor a irmã que está ao meu lado, consigo assim amar o mundo inteiro).

 

2. Irmã Therese Maria Touma, MSCL, Servas Maronitas do Cristo Luz, Dartmouth, MA, EUA:

Uma oração para viver o sentido da vida:

Ajuda-me a servir e buscar o que é Bom, Verdadeiro e Belo e a ter fome e sede de Ti, que és Mistério e és Radiante. Ajuda-me a permanecer indivisa ao Te amar e seguir, meu doce Jesus, não importando as perseguições que possam advir…

Tu és a minha vida! Tu és o meu tudo! A minha casa eterna está em Ti!

 

3. Irmã Helena Raphael Burns, FSP, Filhas de São Paulo, Toronto, Canadá:

Se você realmente quer saber qual é o sentido da vida, ajoelhe-se e pergunte a Deus. Foi isso o que eu fiz. Quando era jovem, eu rezava a oração do agnóstico: “Deus, se existes, por favor me responde, porque eu não sei por que estou viva”. Deus é fiel. Ele vai responder. Com certeza.

Tu me buscarás e me encontrarás quando procurares por mim com todo o teu coração” (Jeremias 29,13).

 

4. Irmã Madeleine Miller, OSB, Irmãs Beneditinas Missionárias de Tutzing, Norfolk Priory, NE, EUA:

Para mim, o sentido da vida é entregá-la por amor.

Quando damos nosso “sim” ao chamado de Deus em nossa vida, entramos a fundo na história de amor que nunca termina e que exige tudo.

Com este “sim” vem a paz que vai além da compreensão.

 

5. Irmã Brittany Harrison, FMA, Salesianas de São João Bosco, Halendon, NJ, EUA:

O que eu experimentei na minha vida me fez acreditar que o sentido da vida é realmente uma jornada de aceitação de que somos total e completamente amados por Deus, não por causa do que fazemos, mas por causa de quem somos. Muitos de nós andam por aí totalmente inconscientes de que o Criador do universo nos ama com paixão. Mesmo que Ele esteja o tempo todo nos mandando convites, nós tendemos a ignorá-los. Mas quando passamos a acreditar que somos amados, então nos tornamos pessoas que amam mais. Quando amamos os outros, descobrimos que o amor de Deus não existe numa espécie de bolha separada, mas sim nas pequenas coisas de cada dia, nas oportunidades que temos de fazer escolhas por amor.

 

6. Irmã Carol Mary Nolan, O. Carm, Carmelitas para os Idosos e Enfermos, Germantown, Nova Iorque:

Qual o sentido da vida? O lema das Irmãs Carmelitas para os Idosos e Enfermos o resume perfeitamente: “A diferença é amor”!

A venerável Mary Angeline Teresa, nossa fundadora, nos pediu: “Seja mais amável do que a própria amabilidade”.

Espalhar o amor e a bondade de Cristo entre os nossos residentes idosos é o que dá sentido à nossa vida de irmãs carmelitas.

 

7. Irmã Lea Hill, FSP, Filhas de São Paulo, St. Louis, MO, EUA:

O sentido da vida é simplesmente estarmos vivos.

E nunca deixaremos de estar vivos.

Por isso temos que fazer tudo com entusiasmo, com intenção, com propósito, com graça, com alegria, para nos unirmos ao Senhor da Vida que não só nos deu a vida, mas a renovou na sua ressurreição.

O Espírito de Deus é a nossa vida verdadeira.

 

8. Irmã Jeana Visel, OSB, Irmãs de São Bento, Ferdinand, Indiana, EUA:

O sentido da vida é participar da vida de Deus. Deus se fez homem para nos tornarmos divinos, dizem os escritores patrísticos da tradição.

Mas, assim como Deus não perdeu a sua divindade ao se tornar carne em Jesus, nós também não perdemos a nossa humanidade ao participarmos da divindade.

A santidade não é só uma ideia espiritualizada fora da nossa vida real e concreta, mas é vivida e vista na prática de todos os dias.

 

9. Irmã Virginia Herbers, ASCJ, Apóstolas do Sagrado Coração de Jesus, Hamden, CT, EUA:

A busca pelo sentido da vida é em si mesma o meio de descobri-lo.

Observar – escutar – ver – perceber tudo o que Deus nos dá a cada dia nos abre a recebê-lo ainda mais plena e frequentemente.

Quando reconhecemos que tudo é dom… o sentido da vida deixa de ser uma pergunta e se torna uma celebração.

 

10. Irmã Carly Paula Arcella, FSP, Filhas de São Paulo, Toronto, Canadá:

Permanecer no seu amor. Retribuir esse amor com amor no amor.

Via Aleteia