5 inverdades sobre os Papas

Nas discussões sobre o Papado, surgem questões comuns que exigem apenas respostas curtas, pois, simplesmente, se tratam de inverdades. Na maioria dos casos, são mal-entendidos, lendas populares e outras coisas semelhantes.

1. Os católicos acham que o Papa não tem pecados.

Não, nós não achamos isso. O atual Papa se confessa, pelo menos uma vez por semana, bem como o fizeram os últimos Papas da história recente. É presumível que eles confessem seus pecados, pois, do contrário, o sacramento não seria válido. Não é bom confessarmos as próprias virtudes de uma pessoa ou os pecados de outra. No Novo Testamento, Pedro mostrou-se ser um pecador e, no mínimo, isso não diminui a sua autoridade.

2. Os católicos acham que o Papa não comete erros.

Não, não achamos isso. Como todas as pessoas, os Papas têm um conhecimento imperfeito, além de outras limitações humanas. No seu dia a dia, os Papas cometem erros, como todos nós. Alguns desses erros são pequenos como enganar-se no degrau de uma escada. Outros erros têm graves consequências como falhar num problema de diploma internacional. A graça da infalibilidade Papal diz respeito somente a assuntos de fé e moral cristãs

3. Os católicos inventaram a ideia da infalibilidade no século XIX.

De fato, esta doutrina foi formulada nesta época, mas estava fundamentada na Igreja desde o começo, como no primeiro século, quando São Clemente de Roma, um discípulo de Pedro e Paulo disse que o Espírito Santo falava através dele. Também os protestantes acreditam que Deus dotou certos homens de infalibilidade, quando, por exemplo, Ele inspirou os autores sagrados para escrever as Escrituras. Com o dom da infalibilidade, os Apóstolos e Evangelistas escreveram obras que eram isentas de erros. E todos nós estamos de acordo sobre isso. Católicos e Protestantes discordam apenas sobre se o carisma da infalibilidade foi estendido para além da primeira geração de cristãos.

4. A autoridade Papal foi desacreditada e penalizada pelo comportamento de maus Papas.

Não foi. Em sua própria época, Jesus enfrentou uma religiosidade corrupta estabelecida; mas Ele sempre afirmou a Sua autoridade dada por Deus em matéria de doutrina e prática religiosa: “Os doutores da Lei e os fariseus têm autoridade para interpretar a Lei de Moisés. Por isso, vocês devem fazer e observar tudo o que eles dizem. Mas não imitem suas ações, pois eles falam e não praticam” (Mt 23,2-3). Mesmo Caifás, o sumo sacerdote perverso, não podia ajudar, mas pronunciou uma profecia infalível, enquanto tramava o assassinato de Jesus (cf. Jo 11,49-51). Devemos ter a certeza de saber que em dois mil anos, muito poucos Papas abusaram de seu poder. Dentre 266 homens até hoje, houve apenas uma pequena parte de desonestos – e Deus nunca permitiu que esses desonestos ensinassem algum erro em matéria de fé e de moral.

5. Se o Papado fosse realmente o que os católicos dizem ser, não teria havido nenhum Papa ruim.

Não é verdade. Jesus deu aos Apóstolos a graça da autoridade. Ele mesmo escolheu os Doze. No entanto, Ele sabia que um deles O haveria de trair. Se o Apostolado foi, de fato, o que Jesus disse que era, como poderia haver um mau Apóstolo? Jesus deixa cada um livre para escolher entre o bem ou o mal, mesmo aqueles a quem Ele chama para o sagrado ofício.

Retirado do livro: “Razões Para Crer”. Scott Hahn. Ed. Cléofas, via Professor Felipe Aquino

Via Aleteia

Comentários

mood_bad
  • Ainda não há comentários.
  • chat
    Adicionar um comentário