Qual é a diferença entre castidade e celibato?

A castidade é uma virtude para todos, porque todos têm necessidade de amar de maneira verdadeira.

Já o celibato, como estilo de vida, é pedido apenas aos candidatos ao sacerdócio: é uma forma particular de castidade que favorece uma união mais profunda ao Senhor e uma doação universal.

Existe uma diferença muito grande entre castidade e celibato.

Castidade

A castidade é a virtude que protege o amor do egoísmo e o ajuda a ser puro. Sendo assim, todos têm necessidade da castidade, pois a tentação de voltar-se para si mesmo é contínua. Para a Igreja, a castidade é sinônimo de pureza no amor.

Se a castidade é isso, então podemos compreender por que todos nós precisamos ser castos. Todas as pessoas sentem a necessidade de amar de maneira pura, evitando que seus atos e comportamentos sejam uma falsificação do amor verdadeiro, do amor que é doado de forma gratuita.

Até as crianças precisam da castidade. Embora seja prematuro conversar com elas sobre a sexualidade, ensiná-las a partilhar com os outros é uma primeira forma implícita de educar no amor de maneira verdadeira.

Também os adolescentes e jovens precisam da castidade, por meio de uma educação no amor que se torna dom, com o objetivo de enriquecer a pessoa amada.

Não podemos nos esquecer da nossa tendência a considerar o outro como objeto de prazer. Em outras palavras, a nossa capacidade de amar é ameaçada por aquela realidade que São João chama de “concupiscência da carne” (2 Jo 2, 16).

A castidade é aquela liberdade interior que permite que um jovem, livre da escravidão da concupiscência, se torne dom de maneira pura.

Tudo isso comporta uma luta: a recusa de certos pensamentos, a superação da tentação de deixar-se levar pela pornografia, que sempre causa devastação interior, dependência, escravidão.

A castidade envolve também a remoção de ações que profanam o corpo humano e levam a desordens no mais profundo da pessoa.

O Catecismo da Igreja Católica ensina: “A castidade implica uma aprendizagem do domínio de si, que é uma pedagogia da liberdade humana” (CIC 2339).

Logo depois, afirma claramente: “A alternativa é clara: ou o homem comanda as suas paixões e alcança a paz, ou se deixa dominar por elas e torna-se infeliz” (CIC 2339), referindo-se a Eclesiástico 1, 28: “A violência de sua paixão causará sua ruína”.

Inclusive as pessoas casadas, de outra maneira, são chamadas a viver a pureza do amor, para defendê-lo das suas possíveis imitações. Neste sentido, a Igreja afirma que certas práticas dentro do matrimônio não são atos de amor, e sim perigosas para o próprio amor.

Celibato
Quando a Igreja fala de celibato, refere-se ao celibato sacerdotal. Isso significa manter o próprio coração indiviso para estar unido ao Senhor sem distrações (cf. 1 Cor 7, 32) e para amar a todos com total dedicação (cf. 1 Cor 9, 22).

O sacerdote é, por excelência, o homem de Deus: sua tarefa é estar unido a Deus para levar Deus aos homens e os homens a Deus.

Além disso, ele é ministro da Igreja, dentro da qual gasta todas as suas energias para gerar almas para Cristo. Dessa maneira, o celibato permite que o sacerdote exerça uma mais ampla paternidade em Cristo, para tornar-se espiritualmente fecundo, pai e mãe de muitos.

Não somente pai, mas também mãe: porque São Paulo fala de si mesmo como de uma mãe: “Filhinhos meus, por quem de novo sinto dores de parto, até que Cristo seja formado em vós…” (Gal 4,19).

Conclusão

Em conclusão: a castidade é uma virtude que diz respeito a todos, porque todos têm necessidade de amar de maneira autêntica.

Já o celibato é uma forma particular de ser casto; é uma espécie de virgindade permanente, porque a pessoa se abstém do casamento e do exercício da sexualidade por motivos mais altos: para estar unida ao Senhor sem distrações e por uma maternidade e paternidade mais amplas e espirituais.

Via Aleteia

Comentários

mood_bad
  • Ainda não há comentários.
  • chat
    Adicionar um comentário